Em mais um dia de tensão nos mercados por causa do avanço militar da Rússia na Ucrânia, o petróleo disparou ontem e superou os US$ 100 o barril. A escalada começou logo pela manhã, mas ganhou força durante a tarde após a Agência Internacional de Energia (AIE) – que representa os consumidores-chave de petróleo – anunciar a liberação de estoques, em tentativa de sinalizar que não haverá desabastecimento.

A medida não conteve a alta de commodity. O petróleo WTI para abril fechou em alta de 8,03%, em US$ 103,41 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex); e o Brent para maio avançou 7,15%, para US$ 104,97 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).

A AIE prevê liberar 60 milhões de barris de estoques para apoiar a oferta da commodity no mercado. Segundo o grupo, isso corresponde a 4% de toda a reserva dos 31 países que compõem a agência, de 1,5 bilhão de barris. A expectativa é de que sejam liberados 2 milhões de barris por dia durante 30 dias. A Casa Branca ainda disse que a agência considera novas liberações de reservas emergenciais, se necessário.

APERTO. Em comunicado ao mercado, a agência afirmou que a invasão russa ocorre em um momento em que o mercado de petróleo já se encontra apertado e altamente volátil, com estoques comerciais em seus menores níveis desde 2014 e uma capacidade limitada de produtores de aumentarem a oferta.

“A situação nos mercados de energia é muito grave e exige toda a nossa atenção. A segurança energética global está ameaçada, colocando a economia mundial em risco durante um estágio frágil da recuperação”, afirmou o diretor executivo da AIE, Fatih Birol.

Hoje a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) se reúne para tratar da oferta de petróleo e deve manter o acordo de aumentar a oferta em 400 mil barris por dia.

Fonte: O Estado de S.Paulo