Aposta em carros elétricos cresce com novos postos de recarga de baterias

Aposta em carros elétricos cresce com novos postos de recarga de baterias

Os carros elétricos estão deixando de ser uma realidade distante para os brasileiros. Após a inauguração do primeiro corredor de postos de recarregamento de baterias no país, entre Rio e São Paulo, um plano de expansão já está em estudos.

Segundo Antonio Guetter, presidente da Copel (companhia de energia do Paraná), as empresas de eletricidade de Santa Catarina, Paraná e São Paulo já estão debatendo o assunto.

A ideia é instalar pontos de recarga na BR-101. Assim, e com os postos da BR-116 (Via Dutra), seria possível ir do Rio a Florianópolis em um carro elétrico. A extensão do corredor quase triplicaria, passando dos 435km atuais para 1.150km.

O modelo será semelhante ao inaugurado em junho na Dutra, pela parceria EDP-BMW-Ipiranga. Os pontos serão instalados em postos de combustíveis na beira da estrada. Os totens terão sistema para recarregar 80% da bateria em aproximadamente 25 minutos. A instalação de cada ponto custará cerca de R$ 150 mil.

A infraestrutura para recarga ainda é o maior obstáculo para os elétricos no país. As grandes operadoras ainda não sabem como cobrar ou estabelecer preços para o serviço. Para se ter uma ideia, a parceria EDP-BMW-Ipiranga está dando recargas grátis na Via Dutra até o fim deste ano — e ainda está calculando como vai cobrar no ano que vem.

A VOZ DO DONO

Aureliano Lima Filho já tem sua estimativa. Dono de um BMW i3 há três anos, o empresário carioca fez os cálculos baseando-se na diferença dos valores de suas contas de luz antes e depois de comprar do i3.

— Após 36 mil quilômetros, em idas e vindas do trabalho, uns 60 quilômetros diários, recarregar as baterias do carro em casa encareceu a conta de luz em apenas R$ 40 — relata Aureliano.

É um valor bem inferior aos quase R$ 900 dos quatro tanques de gasolina que ele gastava por mês antes de ter um elétrico.

Alguns edifícios já começam a se adequar na construção. É o caso do East Side, lançamento da Tegra Incorporadora, no Méier, previsto para ficar pronto em 2021. Os folhetos de propaganda apregoam que o condomínio terá vagas especiais para recarregar baterias. Segundo a construtora, serão duas vagas rotativas, uma por bloco. Como os carros elétricos ainda são muito raros, o gasto será baixo e vai entrar nas despesas gerais do condomínio. O problema vai ser quando a frota crescer…

Empresas no Rio já começam a usar veículos elétricos em seus serviços. A Comlurb, por exemplo, começou com pequenos furgões na coleta de lixo em hospitais e, em breve, vai usar caminhões “verdes” na coleta. O mesmo vale para companhias de recolhimento de resíduos especiais.

Fonte: O Globo

No Comments

Post A Comment