Brasilcom defende redução da mistura obrigatória de biodiesel para 8%

Brasilcom defende redução da mistura obrigatória de biodiesel para 8%

A Brasilcom, que representa médias e pequenas distribuidoras no Brasil, solicitou à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a redução temporária do percentual obrigatório de adição do biodiesel no diesel de petróleo, dos atuais 12% (B12) para 8% (B8).

O pedido da Brasilcom, confirmado à epbr nesta terça (11), ocorre depois de uma série de problemas observados no 75º Leilão de Biodiesel, o L75.

A ANP suspendeu por tempo indeterminado, na última sexta (7), a etapa 4 do L75, sem dar maiores explicações.

Em junho deste ano, a agência já reduziu a mistura obrigatória, brevemente, para 10% (B10) a mistura obrigatória de biodiesel, por riscos de desabastecimento no mercado, mas em circunstâncias diferentes.

Diante do impacto da crise da covid-19, especialmente em abril e maio, as distribuidoras encomendaram menos biodiesel. A demanda, contudo, puxada pelo frete do agronegócio, se recuperou mais rapidamente que o esperado.

Agora, o problema é de restrição na oferta e preço. O setor produtivo tem enfrentado escassez na disponibilidade de óleo de soja no mercado doméstico por conta da forte demanda da China pela soja brasileira. Os preços médios do biodiesel alcançaram um patamar recorde, de R$ 4,622 por litro no L75.

As distribuidoras compraram pouco menos de 1,2 bilhão de litros, todo o volume disponível até a etapa 3 do L75. Volume insuficiente para cobrir a demanda nos próximos meses e garantir a manutenção do B12, segundo a Brasilcom

“Após o resultado preliminar da Fase 3 do L75, com todos os problemas já identificados pela própria ANP, e analisando a oferta de B100 em relação à demanda projetada, a Brasilcom e suas associadas consideram que uma mistura de 8% de B100 seria aquela que permitiria o equilíbrio entre a disponibilidade de biodiesel como oferecido no leilão e a demanda projetada pelas distribuidoras de combustíveis”, disse a associação, em nota.

Para compensar o baixo volume negociado, a ANP já confirmou que um leilão complementar ao L75, mas a Brasilcom acredita não haver tempo suficiente para produção do biodiesel necessário.

A demanda por diesel B vendido ao consumidor final foi a menos afetada pela crise. A ANP registrou vendas de 4,7 bilhões de litros em junho, 1% superior na comparação com o mesmo período do ano passado e um salto de 7,6% em relação a maio deste ano.

“Após a ANP ter comunicado ao mercado que haveria a necessidade de leilão complementar, a Brasilcom formalizou, novamente, sua preocupação com falta de oferta e propôs a redução temporária do percentual obrigatório da mistura, de maneira a garantir o abastecimento do mercado de diesel, fundamental para a retomada da economia brasileira, ora em curso, já que não lhe parecia razoável supor que um volume adicional de biodiesel pudesse ser produzido em tempo hábil para suprir o déficit previsto”, afirma a nota.

Fonte: EPBR

No Comments

Post A Comment