O incentivo à produção e ao uso de biometano no Brasil, por meio de novo plano do governo, deve proporcionar a substituição de quase 1 bilhão de litros de diesel até 2027

O incentivo à produção e ao uso de biometano no Brasil, por meio de novo plano do governo, deve proporcionar a substituição de quase 1 bilhão de litros de diesel até 2027, segundo apresentação do Ministério de Minas e Energia realizada hoje (21).

Esse volume é equivalente, por exemplo, a cerca de um quarto do que o Brasil consumiu de diesel em janeiro deste ano.

O plano do governo prevê a inclusão do biometano no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura (Reidi), beneficiando o setor com a suspensão da cobrança de PIS/Cofins para aquisição de máquinas, materiais de construção, equipamentos e outros.

A expectativa é de que a medida ajude a impulsionar a construção de novas plantas de biometano, um combustível renovável que pode ser utilizado na indústria ou nos transportes, em substituição ao gás de cozinha, diesel e outros derivados de petróleo.

Os textos do decreto e portarias assinados pelo governo nesta segunda-feira ainda não foram divulgados.

Segundo a Associação Brasileira do Biogás (ABiogás), o setor prevê investimentos cerca de 7 bilhões de reais nos próximos cinco anos em novas plantas de biogás.

Com isso, o volume de produção atual, de 400 mil metros cúbicos/dia em dez usinas, deve subir para 2,3 milhões em 2027, gerados em 25 empreendimentos.

A entidade calcula ainda que o Brasil tem potencial para produzir até 120 milhões de metros cúbicos por dia, o que equivale a 70% da demanda nacional de diesel.

O biometano é produto do tratamento e purificação do biogás que, por sua vez, provém da decomposição por rejeitos orgânicos da indústria sucroalcooleira (bagaço de cana, vinhaça), da agropecuária, da indústria de alimentos e do setor de saneamento (esgoto e lixo urbano).

Reuters
Texto extraído do portal Brasilagro

Fonte: Agência UDOP