Petrobras dobra em combustíveis fósseis

Petrobras dobra em combustíveis fósseis

Um dos desenvolvimentos mais notáveis ​​na indústria de petróleo e gás nos últimos anos foi sua mudança de marca: o que antes eram grandes empresas do petróleo, agora se esforçam para ser conhecidos como grupos de energia. Para a Petrobras – por anos a maior empresa do Brasil em receita – essas manobras de marketing podem esperar. Ela diz que seu foco ainda é a expansão da produção e exploração de petróleo. “Não estamos enfrentando uma crise de identidade.

Somos uma petroleira ”, afirma Rafael Chaves Santos, diretor de estratégia da estatal carioca. “A demanda não vai desaparecer e não vemos outra tecnologia capaz de substituir os combustíveis fósseis em grande escala [em breve].” Existe uma miopia estratégica. A empresa busca o lucro de curto prazo, mas carece de visão de médio e longo prazo Claudio Porto, Macroplan É uma postura que coloca a Petrobras em desacordo com muitos de seus concorrentes globais, que buscam diversificar sua base produtiva em meio a previsões de fim do domínio do petróleo e crescentes pressões ambientais. A Petrobras acredita que a demanda por petróleo não diminuirá no curto e médio prazo, dando à empresa muito tempo para lucrar com o know-how existente.

Embora tenha se comprometido a reduzir as emissões de carbono em suas operações em 25% até 2030, o presidente-executivo Roberto Castello Branco deixou claro recentemente que grandes investimentos em energias renováveis ​​são altamente improváveis nos próximos cinco anos. Motivos de lucro Mas os analistas acreditam que a abordagem da Petrobras deve muito a fatores políticos e econômicos domésticos e pode, em última instância, funcionar contra isso. “Há uma miopia estratégica”, diz Claudio Porto, fundador da consultoria de energia Macroplan Consultancy. “A empresa busca o lucro de curto prazo, mas carece de visão de médio e longo prazo.” Para aguçar a motivação de lucro da Petrobras está uma grande pilha de dívidas, acumulada durante anos de preços subsidiados do petróleo sob as administrações do Partido dos Trabalhadores de esquerda no Brasil, juntamente com pesados ​​investimentos de capital.

Ela tem uma das taxas de endividamento mais altas entre as empresas de energia – 1,81, em comparação com 0,38 da ExxonMobil e 0,69 da Shell. Desde 2016, o foco da empresa tem sido o combate ao endividamento com corte de despesas e venda de ativos. Ela está em vias de acabar com seu monopólio efetivo sobre o refino no Brasil com a venda de metade de suas operações no setor – uma medida que, segundo analistas, aumentará a concorrência. Recomendado Relatório Especial Brasil: O Caminho para a Sustentabilidade Os líderes empresariais veem ESG como crucial para a competitividade .

No entanto, o grupo foi duramente atingido este ano pela pandemia do coronavírus e a queda resultante na demanda por petróleo. No terceiro trimestre, sua dívida diminuiu menos do que o esperado, de US $ 91,2 bilhões no trimestre anterior para $ 79,5 bilhões. A dívida não é o único problema que preocupa a gestão da Petrobras nos últimos anos. Luiz Francisco Caetano, analista da empresa de investimentos Planner, aponta para a ameaça existencial representada em meados da década de 2010 pelo escândalo da Lava Jato no Brasil , que envolveu dezenas de políticos e empresários – incluindo executivos da Petrobras – em um esquema de contratos por propina.

“Acima de tudo, precisava sobreviver”, diz Caetano. Campeão verde – ou retardatário? Embora a empresa tenha lutado contra essas dificuldades, a pressão política para avançar em direção à energia verde diminuiu. O maior país da América Latina tem uma das combinações de energia mais verdes do mundo, com fontes renováveis ​​gerando mais de 80% da eletricidade. Em 2023, mais de 45 por cento do consumo total de energia do Brasil, incluindo combustível para transporte e uso doméstico, virá de energia verde, de acordo com a Agência Internacional de Energia – um contraste significativo com os 12 por cento que prevê para os EUA. Mas embora o Brasil tenha feito grandes avanços no sentido de desenvolver mais fontes de energia de baixo carbono no final do século 20, o interesse diminuiu recentemente, com poucos políticos defendendo isso ativamente.

“Temos sérias preocupações com a transição energética do Brasil”, diz Drielli Peyerl, professor da Universidade de São Paulo (USP). “O que está sendo desenvolvido em outros países é uma realidade distante porque somos um país em desenvolvimento. Ainda temos um longo caminho a percorrer para reduzir nossa dependência de combustíveis fósseis. ” Ela ressalta que o Brasil costuma recorrer à energia de combustíveis fósseis quando as secas afetam o abastecimento de energia hidrelétrica do país e depende fortemente de caminhões altamente poluentes para o transporte de mercadorias. Enquanto isso, barreiras regulatórias e falta de vontade política dificultam a busca por soluções, diz ela.

Somos responsáveis ​​do ponto de vista ambiental Rafael Chaves Santos, Petrobras Ildo Sauer, professor da USP e ex-diretor da Petrobras, afirma que a empresa já foi um “pilar de atuação na área de renováveis”, com investimentos significativos em gás natural, biocombustíveis e energia eólica. Em 2006, seu desempenho lhe rendeu uma posição no Índice Dow Jones de Sustentabilidade, embora tenha saído em 2015 após o escândalo da Lava Jato. Agora, o professor Sauer avisa, a “visão errada” da empresa pode ser desastrosa no longo prazo. A Petrobras diz, no entanto, que seu foco no petróleo não significa que está ignorando as mudanças climáticas – daí sua promessa de carbono.

“Somos responsáveis ​​do ponto de vista ambiental”, diz Chaves, citando os avanços da empresa na captura de carbono – onde o dióxido de carbono é injetado no subsolo em vez de liberado na atmosfera – e na produção de diesel renovável e de bioquerosene para companhias aéreas. Recomendado Relatório Especial Brasil: O Caminho para a Sustentabilidade Braskem aposta em demanda crescente por bioplásticos Porto, da Macroplan, reconhece que há lucros a curto prazo, especialmente se a empresa se concentrar na lucrativa produção do “pré-sal” – petróleo encontrado no mar sob uma espessa camada de sal.

Isso aumentou 32 por cento nos primeiros nove meses deste ano em comparação com o mesmo período em 2019 e atualmente é responsável por 70 por cento da produção de petróleo do Brasil. Mas Porto acrescenta que “a indústria do petróleo está no crepúsculo e vai desaparecer”. Caetano concorda com o sentimento, dizendo que agora é a hora de a empresa se afastar dos combustíveis fósseis e fazer investimentos verdes significativos. “Mas a gestão não está investindo ou dando sinais de que irá.”


Fonte: O Petróleo

No Comments

Post A Comment