Petrobrás prevê fechar 2018 com dívida de US$ 69 bilhões

Petrobrás prevê fechar 2018 com dívida de US$ 69 bilhões

A estatal brasileira Petrobrás informou ontem que estima fechar 2018 com uma dívida de US$ 69 bilhões, uma queda de quase 19% em relação aos US$ 85 bilhões registrados no ano passado.

Com o programa de desinvestimentos, renegociações de prazos de pagamentos no exterior e o aumento recente do preço de petróleo, o endividamento da companhia vem caindo constantemente.

A mudança de trajetória começou em 2015, após a empresa atingir seu pico de endividamento, de US$ 106 bilhões, em 2014. O total projetado para dezembro, porém, representa quase o dobro da dívida da companhia há oito anos.

A empresa reafirmou que busca redução do indicador de alavancagem, medido pela dívida em relação à geração de caixa (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações), para 2,5 vezes, já levando em conta potenciais efeitos negativos de ações judiciais nos EUA.

O cronograma de amortizações aponta para um cenário relativamente mais tranquilo nos próximos anos, fruto da gestão do endividamento, na comparação como a perspectiva que se tinha ao fim de 2015.

A petroleira ainda previu fluxo de caixa livre de US$ 15 bilhões em 2018, ante US$ 13,9 bilhões em 2017. A empresa vem registrando fluxo de caixa livre positivo desde 2015.

Ontem, o presidente da companhia, Ivan Monteiro, destacou que a elevação dos preços do petróleo do tipo brent tem contribuído para acelerar a trajetória de redução do endividamento da companhia. Ele disse que não vê uma tendência de mudança muito grande no cenário de preço do barril ao longo do segundo semestre em relação ao observado até agora.

Vendas. Monteiro destacou ainda que a companhia continuam as discussões sobre vendas de ativos que não foram afetados pela liminar do Supremo Tribunal Federal (STF), que proibiu a privatização de estatais sem autorização do Congresso. Ele afirmou que a discussão sobre ativos na África segue em andamento e que a “evolução é positiva”.

Fonte: O Estado de S.Paulo

No Comments

Post A Comment