Por que o Brasil não atrai mais investimentos? Empresários e especialistas explicam

Por que o Brasil não atrai mais investimentos? Empresários e especialistas explicam

Após dois anos de recessão, seguidos por três anos de crescimento baixo, o Brasil saiu do radar de investimentos de grandes empresas internacionais. As dificuldades em avançar na agenda de reformas, os constantes ruídos políticos entre governo e Congresso e a falta de regras claras para os negócios são fatores apontados por empresários, especialistas e consultores para a perda de espaço do Brasil justamente quando há, no mundo, capital disponível para investir em bons projetos.
Em 2019, pela primeira vez, o país desapareceu do Índice Global de Confiança para Investimentos Estrangeiros, da consultoria americana Kearney.
O índice mede a perspectiva de investimento nos próximos três anos, a partir de entrevistas com 500 executivos das maiores multinacionais, compondo uma lista de 25 países. Até 2014, o Brasil estava no top 5.
— Um investidor de Cingapura resumiu assim a situação: “O Brasil é uma mina de ouro, sabemos que há ouro, de boa qualidade. Temos interesse, capacidade técnica e recursos para explorar este ouro. Mas não fazemos isso pois tememos que a mina desabe sobre a nossa cabeça” — conta Paulo Resende, professor da Fundação Dom Cabral.
O índice mede a perspectiva de investimento nos próximos três anos, a partir de entrevistas com 500 executivos das maiores multinacionais, compondo uma lista de 25 países. Até 2014, o Brasil estava no top 5.

— Um investidor de Cingapura resumiu assim a situação: “O Brasil é uma mina de ouro, sabemos que há ouro, de boa qualidade. Temos interesse, capacidade técnica e recursos para explorar este ouro. Mas não fazemos isso pois tememos que a mina desabe sobre a nossa cabeça” — conta Paulo Resende, professor da Fundação Dom Cabral.
No ranking da Kearney, o Brasil caiu para sexto lugar em 2015, 16º em 2017 e foi para a lanterna no ano seguinte, até deixar a lista em 2019. Segundo Mark Essle, sócio da Kearney, crescimento baixo inibe investimento:

— A multinacional está cansada do Brasil. Nos últimos cinco anos, pelo menos, não tem retorno. O CEO todo ano tem de explicar à matriz por que não está ganhando dinheiro. Por isso, a queda. É o cansaço da falta de crescimento.
A demanda é um dos principais fatores que o investidor olha ao decidir o que fazer com o dinheiro, diz Viktor Andrade, sócio da consultoria EY:

— O maior entrave é a recessão e o baixo crescimento dos últimos anos. Isso reduz renda, diminui capacidade de consumo. Quando havia crescimento, burocracia e complexidade tributária eram entraves. Eles continuam, mas em segundo lugar.
Ausência de reformas
Se a falta de crescimento é um problema, a ausência de uma agenda de reformas que abriria espaço para ele é outro inibidor, dizem especialistas.

Em 2019, o Produto Interno Bruto (PIB, conjunto de bens e serviços produzidos no país) avançou apenas 1,1%, informou o IBGE semana passada, e a taxa de investimento — o quanto do PIB é destinado a aumentar a capacidade produtiva — ficou em 15,4%. Em 2013, antes do início da crise econômica, era de 20,9%.

— Em 2020, é preciso acelerar as reformas e investir na capacidade de articulação do governo para criar bases para um 2021 melhor — diz André Castellini, sócio da consultoria Bain & Company.

Viu isso? No PIB, Brasil está de volta a dezembro de 2015

Para analistas, a crise entre Planalto e Congresso cria instabilidades que podem afastar investidores, pois passa a sensação de que o país está sem rumo:

— A incerteza política e a dificuldade de articulação entre Executivo e Legislativo desestabilizam as instituições. O cálculo de atuação política do Planalto está numa posição de antagonismo ao crescimento do país — alerta Cláudio Frischtak, da Inter. B.

“A multinacional está cansada do Brasil”

MARK ESSLE
Sócio da Kearney
Para Resende, da Fundação Dom Cabral, o país vive uma crise institucional no plano federal, que muitas vezes se repete em governos locais:

— Você imagina a reação de um investidor ao ver tratores da prefeitura do Rio, sob mando do prefeito Marcello Crivella, destruírem praças de pedágio da Linha Amarela?

Após PIB fraco: Bolsonaro e Guedes vão à Fiesp em busca de sugestões do empresariado

O Investimento Estrangeiro Direto (IED) continua vindo, mas o país perde espaço. Éramos o quarto principal destino e caímos para sétimo.

Além disso, o IED — que somou US$ 80 bilhões em 2019 — foi direcionado para comprar empresas, não construir fábricas. Tanto que as fusões e aquisições bateram recorde em 2019, crescendo 39% ante 2018.

— O momento é bom para investir. A despeito das agruras políticas, a equipe econômica vem reduzindo o déficit público, fazendo privatizações e conseguiu aprovar a reforma da Previdência. Há boa perspectiva no futuro — pondera Leonardo dell’Oso, da PwC.
Esses investimentos também têm sido concentrados em poucos setores, ressalta Luís Afonso Lima, presidente da Sobeet, entidade que estuda efeitos da globalização. A maioria vai para os setores elétrico e de óleo e gás.

São ativos que já existem e não geram nova capacidade produtiva. Mas isso é importante, enfatiza Lima, porque o Estado não tem condição de mantê-los.

Capital abundante
O déficit fiscal deve ser de R$ 124 bilhões este ano. Por isso, é preciso criar boas condições e aproveitar oportunidades para atrair o investidor privado. Hoje, com juros baixos — ou até negativos — em muitos países, há capital disponível em busca de bons ativos.

— O capital privado existe de forma abundante globalmente. O que falta, aqui, são projetos inseridos numa regulamentação que passe confiança ao investidor — afirma Essler, da Kearney.

Problema:Falta de saneamento prejudica economia e acentua desigualdades

Uma forma de atrair mais investidores seria aprimorar a política ambiental:

— Ela prejudica a imagem do Brasil, pondo em xeque a decisão de investimento. Mudança climática é assunto de primeira ordem. O acordo Mercosul-União Europeia está sendo questionado nessa área — diz Frischtak.

No ano passado, gestores de fundos que têm US$ 41 trilhões para investir se uniram no Climate Action 100+, que pressiona empresas nas quais são acionistas por práticas que reduzam o aquecimento global.

— A elite do investimento mundial está comprometida com a green finance (finanças verdes). Ouvi algumas vezes que o Brasil não foi considerado por questões ambientais — conta Resende, da Fundação Dom Cabral.

As razões para o baixo apetite
Longo período de crescimento baixo
Dois anos de recessão e três anos de expansão do PIB pouco acima de 1% tornam o país menos atraente para investidores globais. Executivos de multinacionais têm dificuldades de justificar a seus acionistas uma aposta no Brasil após seguidos resultados frustrantes.

Demora nas reformas e falta de regras claras
Depois da Previdência, empresários esperam a aprovação da reforma tributária e de marcos regulatórios para setores importantes, como o saneamento. Sem saber ao certo qual será a carga de impostos do país ou as regras para investir em alguns setores, os negócios ficam travados.

Ruídos políticos e institucionais
A disputa entre Congresso e Planalto cria um clima de instabilidade. Episódios locais, como a ameaça da prefeitura do Rio de suspender a concessão da Linha Amarela — em que a praça do pedágio foi destruída por retroescavadeiras —, também geram insegurança entre os investidores.

Preocupação ambiental
As empresas têm de comprovar aos acionistas que não operam em países que desrespeitem o meio ambiente. Hoje, gestores de investimentos que, juntos, administram ao menos US$ 41 trilhões fazem parte de uma coalizão global que cobra das empresas o combate às mudanças climáticas.

Fragilidade do setor público
O governo brasileiro tem enorme déficit fiscal. A projeção para este ano é de um rombo de R$ 124 bilhões. Sem recursos para investir, cabe ao governo coordenar as expectativas e criar condições para que o setor privado faça investimentos, afirmam os especialistas.

Após dois anos de recessão, seguidos por três anos de crescimento baixo, o Brasil saiu do radar de investimentos de grandes empresas internacionais. As dificuldades em avançar na agenda de reformas, os constantes ruídos políticos entre governo e Congresso e a falta de regras claras para os negócios são fatores apontados por empresários, especialistas e consultores para a perda de espaço do Brasil justamente quando há, no mundo, capital disponível para investir em bons projetos.
Em 2019, pela primeira vez, o país desapareceu do Índice Global de Confiança para Investimentos Estrangeiros, da consultoria americana Kearney.
O índice mede a perspectiva de investimento nos próximos três anos, a partir de entrevistas com 500 executivos das maiores multinacionais, compondo uma lista de 25 países. Até 2014, o Brasil estava no top 5.
— Um investidor de Cingapura resumiu assim a situação: “O Brasil é uma mina de ouro, sabemos que há ouro, de boa qualidade. Temos interesse, capacidade técnica e recursos para explorar este ouro. Mas não fazemos isso pois tememos que a mina desabe sobre a nossa cabeça” — conta Paulo Resende, professor da Fundação Dom Cabral.
O índice mede a perspectiva de investimento nos próximos três anos, a partir de entrevistas com 500 executivos das maiores multinacionais, compondo uma lista de 25 países. Até 2014, o Brasil estava no top 5.

— Um investidor de Cingapura resumiu assim a situação: “O Brasil é uma mina de ouro, sabemos que há ouro, de boa qualidade. Temos interesse, capacidade técnica e recursos para explorar este ouro. Mas não fazemos isso pois tememos que a mina desabe sobre a nossa cabeça” — conta Paulo Resende, professor da Fundação Dom Cabral.
No ranking da Kearney, o Brasil caiu para sexto lugar em 2015, 16º em 2017 e foi para a lanterna no ano seguinte, até deixar a lista em 2019. Segundo Mark Essle, sócio da Kearney, crescimento baixo inibe investimento:

— A multinacional está cansada do Brasil. Nos últimos cinco anos, pelo menos, não tem retorno. O CEO todo ano tem de explicar à matriz por que não está ganhando dinheiro. Por isso, a queda. É o cansaço da falta de crescimento.
A demanda é um dos principais fatores que o investidor olha ao decidir o que fazer com o dinheiro, diz Viktor Andrade, sócio da consultoria EY:

— O maior entrave é a recessão e o baixo crescimento dos últimos anos. Isso reduz renda, diminui capacidade de consumo. Quando havia crescimento, burocracia e complexidade tributária eram entraves. Eles continuam, mas em segundo lugar.
Ausência de reformas
Se a falta de crescimento é um problema, a ausência de uma agenda de reformas que abriria espaço para ele é outro inibidor, dizem especialistas.

Em 2019, o Produto Interno Bruto (PIB, conjunto de bens e serviços produzidos no país) avançou apenas 1,1%, informou o IBGE semana passada, e a taxa de investimento — o quanto do PIB é destinado a aumentar a capacidade produtiva — ficou em 15,4%. Em 2013, antes do início da crise econômica, era de 20,9%.

— Em 2020, é preciso acelerar as reformas e investir na capacidade de articulação do governo para criar bases para um 2021 melhor — diz André Castellini, sócio da consultoria Bain & Company.

Viu isso? No PIB, Brasil está de volta a dezembro de 2015

Para analistas, a crise entre Planalto e Congresso cria instabilidades que podem afastar investidores, pois passa a sensação de que o país está sem rumo:

— A incerteza política e a dificuldade de articulação entre Executivo e Legislativo desestabilizam as instituições. O cálculo de atuação política do Planalto está numa posição de antagonismo ao crescimento do país — alerta Cláudio Frischtak, da Inter. B.

“A multinacional está cansada do Brasil”

MARK ESSLE
Sócio da Kearney
Para Resende, da Fundação Dom Cabral, o país vive uma crise institucional no plano federal, que muitas vezes se repete em governos locais:

— Você imagina a reação de um investidor ao ver tratores da prefeitura do Rio, sob mando do prefeito Marcello Crivella, destruírem praças de pedágio da Linha Amarela?

Após PIB fraco: Bolsonaro e Guedes vão à Fiesp em busca de sugestões do empresariado

O Investimento Estrangeiro Direto (IED) continua vindo, mas o país perde espaço. Éramos o quarto principal destino e caímos para sétimo.

Além disso, o IED — que somou US$ 80 bilhões em 2019 — foi direcionado para comprar empresas, não construir fábricas. Tanto que as fusões e aquisições bateram recorde em 2019, crescendo 39% ante 2018.

— O momento é bom para investir. A despeito das agruras políticas, a equipe econômica vem reduzindo o déficit público, fazendo privatizações e conseguiu aprovar a reforma da Previdência. Há boa perspectiva no futuro — pondera Leonardo dell’Oso, da PwC.
Esses investimentos também têm sido concentrados em poucos setores, ressalta Luís Afonso Lima, presidente da Sobeet, entidade que estuda efeitos da globalização. A maioria vai para os setores elétrico e de óleo e gás.

PUBLICIDADE

São ativos que já existem e não geram nova capacidade produtiva. Mas isso é importante, enfatiza Lima, porque o Estado não tem condição de mantê-los.

Capital abundante
O déficit fiscal deve ser de R$ 124 bilhões este ano. Por isso, é preciso criar boas condições e aproveitar oportunidades para atrair o investidor privado. Hoje, com juros baixos — ou até negativos — em muitos países, há capital disponível em busca de bons ativos.

— O capital privado existe de forma abundante globalmente. O que falta, aqui, são projetos inseridos numa regulamentação que passe confiança ao investidor — afirma Essler, da Kearney.

Problema:Falta de saneamento prejudica economia e acentua desigualdades

Uma forma de atrair mais investidores seria aprimorar a política ambiental:

— Ela prejudica a imagem do Brasil, pondo em xeque a decisão de investimento. Mudança climática é assunto de primeira ordem. O acordo Mercosul-União Europeia está sendo questionado nessa área — diz Frischtak.

No ano passado, gestores de fundos que têm US$ 41 trilhões para investir se uniram no Climate Action 100+, que pressiona empresas nas quais são acionistas por práticas que reduzam o aquecimento global.

— A elite do investimento mundial está comprometida com a green finance (finanças verdes). Ouvi algumas vezes que o Brasil não foi considerado por questões ambientais — conta Resende, da Fundação Dom Cabral.

As razões para o baixo apetite
Longo período de crescimento baixo
Dois anos de recessão e três anos de expansão do PIB pouco acima de 1% tornam o país menos atraente para investidores globais. Executivos de multinacionais têm dificuldades de justificar a seus acionistas uma aposta no Brasil após seguidos resultados frustrantes.

Demora nas reformas e falta de regras claras
Depois da Previdência, empresários esperam a aprovação da reforma tributária e de marcos regulatórios para setores importantes, como o saneamento. Sem saber ao certo qual será a carga de impostos do país ou as regras para investir em alguns setores, os negócios ficam travados.

Ruídos políticos e institucionais
A disputa entre Congresso e Planalto cria um clima de instabilidade. Episódios locais, como a ameaça da prefeitura do Rio de suspender a concessão da Linha Amarela — em que a praça do pedágio foi destruída por retroescavadeiras —, também geram insegurança entre os investidores.

Preocupação ambiental
As empresas têm de comprovar aos acionistas que não operam em países que desrespeitem o meio ambiente. Hoje, gestores de investimentos que, juntos, administram ao menos US$ 41 trilhões fazem parte de uma coalizão global que cobra das empresas o combate às mudanças climáticas.

Fragilidade do setor público
O governo brasileiro tem enorme déficit fiscal. A projeção para este ano é de um rombo de R$ 124 bilhões. Sem recursos para investir, cabe ao governo coordenar as expectativas e criar condições para que o setor privado faça investimentos, afirmam os especialistas.

Volatilidade do dólar e crise global
O dólar alto deixa ativos brasileiros baratos. Mas a disparada na cotação foi repentina e o empresário teme nova mudança brusca no câmbio, o que dificulta fazer contas na decisão de investimento. E a epidemia global de coronavírus leva o investidor a sair de ativos de risco, como países emergentes.

Volatilidade do dólar e crise global
O dólar alto deixa ativos brasileiros baratos. Mas a disparada na cotação foi repentina e o empresário teme nova mudança brusca no câmbio, o que dificulta fazer contas na decisão de investimento. E a epidemia global de coronavírus leva o investidor a sair de ativos de risco, como países emergentes.

Fonte: O Globo

No Comments

Post A Comment