Preço médio da gasolina cai nos postos do Distrito Federal

Preço médio da gasolina cai nos postos do Distrito Federal

O litro da gasolina está mais barato no Distrito Federal. Apesar de o combustível estar sendo vendido a R$ 1,5581 nas refinarias desde 15 de fevereiro, o maior preço desde o início do ano, nos 30 postos percorridos pelo Correio, o consumidor pode encontrar o produto a menos de R$ 4. O diesel está sendo comercializado a R$ 2,0505 nas refinarias.

Um dos gerentes dos estabelecimentos que estava vendendo o litro da gasolina a R$ 3,89 afirmou que a baixa no preço se deve ao desconto na nota que vem das distribuidoras. Em outro posto na Asa Norte há uma placa informando que o valor do combustível que está sendo vendido a R$ 3,86 é devido a uma promoção de “volta às aulas”.
Na semana passada, o valor da gasolina chegava a R$ 4,25 em alguns postos. Nesta segunda-feira (18/2), alguns motoristas se animaram com o novo valor do litro da gasolina e fizeram até fila em um estabelecimento na Asa Norte. Joel de Souza, é empresário e ficou mais de 20 minutos esperando ser atendido no posto. Para ele, é necessário aproveitar para encher o tanque nessas ocasiões, pois a gasolina a mais de R$ 4 fica inviável para o bolso do motorista. ‘Eu dirijo muito para trabalhar, tem semanas que preciso economizar em algumas compras para abastecer o tanque do carro”, disse.
O Presidente do SindCombustíveis do Distrito Federal, Paulo Tavares, explicou que o preço baixo da gasolina é devido à guerra comercial entre os estabelecimentos que vendem o produto. De acordo com ele, um dos postos dos DF começou a vender o litro da gasolina com o preço mais barato e os outros estabelecimentos precisaram acompanhar para não perder venda.
Segundo Tavares, este tipo de atitude prejudica o dono dos postos de combustível e por isso não deve durar muito tempo. “Fica inviável lucrar assim, infelizmente a gente fica na saia justa. Só não baixa o preço quem realmente não pode, e quem não pode já está fechando o posto, infelizmente”, afirmou.
Fonte: Correio Braziliense
No Comments

Post A Comment