Pelo segundo mês consecutivo, o Distrito Federal registrou aumento na inflação. A taxa registrada na primeira metade de abril foi de 0,85%, valor maior que a média nacional para o período – 0,72%.

Segundo Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), a alta foi puxada pelo setor de transportes, principalmente por reajustes no preço da gasolina.

O levantamento, feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aponta que a inflação na primeira metade de abril também foi superior à registrada no mesmo período de março, que ficou em 0,59%.

A inflação no setor de transportes no DF foi de 2,24%, sendo que o reajuste no valor da gasolina ficou em 6,92%. Brasília teve o segundo maior aumento de preços, ficando atrás apenas de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.
Outro seguimento que provocou alta nos preços foram os artigos de residência. Entre todas as capitais analisadas pelo estudo, Brasília registrou a maior inflação nesse setor: 1,3%.

Também ficaram mais caros itens de vestuário (1,05%), alimentação (0,59%), despesas pessoais (0,54%), saúde e cuidados pessoais (0,67%) e habitação (0,29%).

O único setor que registrou queda nos preços foi o de comunicação, com redução de 0,09%.

Ao longo de 2019, a inflação já acumula aumento de 1,91% nos preços analisados pelo IBGE. Já com relação aos últimos 12 meses, a alta é de 4,71%.

O IPCA-15 analisa os preços de 383 produtos, mês a mês, nas regiões metropolitanas de 11 capitais brasileiras. Os dados relativos a este mês foram coletados entre 16 de março e 12 de abril.