Venda de ações da Petrobras é uma forma de mostrar que país está aberto ao investimento estrangeiro

Venda de ações da Petrobras é uma forma de mostrar que país está aberto ao investimento estrangeiro

O anúncio feito no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, da venda de ações da Petrobras que estão em posse do governo, através da BNDESPar, braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), é simbólico. Segundo analistas consultados pelo GLOBO, trata-se de uma forma de o ministro da Economia, Paulo Guedes, autoridade máxima brasileira presente ao encontro, mostrar que o país caminha na direção da desestatização e está aberto ao investimento estrangeiro.
— No ano passado, tivemos um fluxo negativo de R$ 44,5 bilhões de estrangeiros da Bolsa em 2019, o que mostra que os players de fora ainda estão com medo de fazer contratos de longo prazo com o Brasil via ações. O anúncio da venda das ações da Petrobras que estão em posse do governo é uma sinalização da disposição de desestatizar o país e de buscar o capital estrangeiro — analisa Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos.
Para ele, essa escolha também dialoga com o leilão do pré-sal realizado em novembro, onde a participação de estrangeiros foi minoritária, apenas de empresas chinesas. A venda dos papéis da petrolífera pode render até R$ 23,5 bilhões aos cofres públicos. As ações da Petrobras representam 40% do total da carteira de ações da BNDESpar.

Um levantamento feito pela empresa de informações financeiras Economática mostra que se a BNDESpar vendesse hoje no mercado as ações de empresas onde o banco possui mais de 5% de participação, considerando tanto papéis preferenciais quanto ordinários, seriam arrecadados R$ 87 bilhões.
Início das vendas
O analista da Ativa Investimentos avalia que esse movimento de venda de ações da BNDESpar ainda está no início. Começou com os papéis da Marfrig, em dezembro, onde o banco tinha 33,7% de participação no capital total. Só no ano passado, as ações da Marfrig subiram de R$ 5,46, em janeiro, para R$ 9,96, em dezembro. Em janeiro, foi a vez dos papeis da Light, onde o banco tinha participação de 6,3% no capital total. Estima-se que foram arrecadados cerca de R$ 450 milhões com a venda dessa participação.

— Certamente a venda das ações da Marfrig foi com muito lucro, já que os papéis da companhia tiveram valorização de 82% só no ano passado. Pelo menos 65% das receitas vêm dos Estados Unidos e foi um ano positivo para as empresas de proteína por causa da demanda chinesa — diz Arbetman.

No ano passado, a BNDESpar iniciou estudos para vender a participação da JBS, uma das chamadas ‘campeãs nacionais’ e que também atua no setor de proteínas. A JBS foi uma das empresas que recebeu recursos do banco entre 2010 e 2014 quando o BNDES atuou como ‘mecenas’ para estimular alguns setores da economia. Mas o processo de venda foi interrompido com a troca de presidente do banco, que também resultou em mudanças no corpo técnico. O banco tem 21,32% no capital total da JBS e ações da empresa estão cotadas atualmente a R$ 29,81.

Viu isso? Petrobras vai demitir funcionário que se aposentar após reforma da Previdência

Ele avalia que a BNDESPar deverá vender ações de setores onde o país precisa do capital privado para superar lacunas de investimento, como infraestrutura. Os papéis da Triunfo, por exemplo, onde a BNDESPar tem 5,09%, são um exemplo.

— Deverão vender a participação na Triunfo (5,09% no capital total), que atua no setor de portos. Também acredito que do setor de ‘utilities’ devem ser passados ao mercado Copel (23,96% do capital total) , AES Tietê e a Cemig, que também tem controle estatal — diz Arbetman.

Ele observa que a carteira de participações da BNDESpar em ações de companhias abertas é bastante relevante. Petrobras representa 40% do total da carteira; depois vem JBS com 14,9%, Vale 12,10% e Eletrobras 8%. No total, as ações listadas em Bolsa nas mãos do banco valem atualmente R$ 114,4 bilhões, considerando a carteira de setembro passado, a última ser divulgada.

A BNDESpar tem ainda R$ 4 bilhões em ações de companhias que não são listadas em Bolsa, R$ 2,3 bilhões em fundos de investimento e R$ 6,7 bilhões em debêntures de renda variável. No total, são R$ 127 bilhões que podem entrar nos cofres do governo com essas vendas.

Papéis mais líquidos
Para Fernando Marcato, sócio da GO Associados, a venda da carteira da BNDESPar está começando com os papeis mais líquidos, como Petrobras.

— A BNDESPar ter participação acionária numa estatal, como a Petrobras, não faz sentido. Acho que a estratégia é vender as ações mais líquidas, e os papéis da Vale também devem ser oferecidos — diz Marcato.

Operadores de mercado consultados pelo GLOBO, sob a condição de anonimato, afirmam que operações de venda de ações deste tipo são feitas de forma casada e em bloco para não impactar o mercado. Normalmente, o vendedor contrata bancos ou corretoras, que encontram compradores e o pacote de ações é vendido em bloco para evitar queda excessiva do preços dos papéis. Não há nada de errado e não há motivo para pânico. E o mercado entende esse viés liberal do governo como positivo e as ações podem até subir.

Fonte: O Globo

No Comments

Post A Comment