Os acionistas da Petrobras vão decidir nesta quarta-feira (13), a partir das 15 horas, se aprovam o nome de José Mauro Ferreira Coelho para a presidência da petrolífera. A indicação de Coelho, feita pelo governo de Jair Bolsonaro (PL), será avaliada durante Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária, com o nome de Márcio Andrade Weber para a presidência do Conselho de Administração.

A assembleia de acionistas será acompanhada de perto pelo mercado financeiro, em um momento de forte pressão nos preços dos combustíveis.

Na última segunda-feira (11), o Comitê de Pessoas da Petrobras —órgão que assessora o Conselho de Administração da companhia— deu seu aval para a indicação de Coelho. O comitê considerou que Coelho cumpria os requisitos mínimos para ocupar o cargo.

A indicação será avaliada, em primeiro lugar, para compor o Conselho de Administração da petrolífera —pré-requisito para que ele possa ocupar a presidência. Se aprovado no conselho, o nome já será avaliado para o comando da estatal.

Quem é o executivo indicado para a presidência da estatal?

Coelho é presidente do Conselho de Administração da PPSA (Pré-Sal Petróleo S.A), estatal criada em 2013, durante o governo de Dilma Rousseff, para atuar na área do pré-sal.

Graduado em química industrial, ele tem mestrado em ciências de materiais e doutorado em planejamento energético. Em outubro do ano passado, pediu demissão do cargo de secretário de Petróleo, Gás e Biocombustíveis do MME (Ministério de Minas e Energia). Desde então, cumpria quarentena. Foi servidor público por 14 anos.

Considerado próximo do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, Coelho será o substituto do atual presidente da estatal, o general Joaquim Silva e Luna.

Com o avanço dos preços dos combustíveis nos últimos meses, Silva e Luna perdeu apoio político do governo, principal acionista da Petrobras. Assim, Bolsonaro decidiu indicar novo nome para o comando da estatal. Para ler esta notícia.


Fonte: UOL